quinta-feira, 31 de março de 2011

Ah se eu soubesse...

Quem vive de passado é museu, já dizia o ditado popular.
Mas, a verdade é que, quando olhamos para trás, identificamos com a maturidade, tudo aquilo que
incomodou, machucou, alegrou, deixou marcas nas linhas da vida.
Então,  percebemos o número quase que exato, das  vezes que  permitimos  que a felicidade e tristeza façam parte da nossa história,  junto com pessoas, lugares, fatos, escolhas...
Ah! Se eu soubesse!
Não adianta lamentar. Não adianta achar que lamúrias vão acertar o caminho daqui por diante. O tempo não para! Já dizia a música!
O tempo também não volta e o que nos resta é escrever  a história agora.
Prefiro então, fazer uma doce analogia das pessoas em minha vida, com os livros...
Todos são livros em um catálogo.
E nesse catálogo, há a triagem onde os bons merecem sempre  nova tiragem e os que não valem a pena, bem...os que não valerem a pena, ficarão com a poeira em prateleiras dos sebos da vida...
Eu não sabia de tanta coisa...
Agora, eu sei!
D.Frick

domingo, 27 de março de 2011

Proteção...

Desejo hoje, fechar os olhos, respirar fundo e fingir ser meu travesseiro,
o colo de Maria...
Assim será. Amém.
D.Frick

sexta-feira, 18 de março de 2011

Dos poemas

Há tantos poemas que amo...
Tantos falam do amor...
Falam da proximidade necessária, do olhar direto,
do tato, do gosto e outros ingredientes para que ele, o amor, exista de fato.
Ainda os amo. Sim! Os poemas...
Mas discordo da generalidade das regras, onde o amor tem receitas prontas.
Não há receita, não há ordem, não há razão.
Quando se ama, o mundo pode girar, pode virar e o pulsar do seu coração,
estará ali.
Fique tranquilo...
Bjos,
D.Frick

quarta-feira, 16 de março de 2011

Gritei o seu grito,
comi o seu pão,
falei tua fala,
sonhei os teus sonhos...
Agora, eu que vivi você,
clamo  por exorcismo dessa vida alienígina dentro de mim.
Porque preciso ter a autonomia dos meus sonhos,
o gosto do meu pão,
o grito que sai com a minha emoção.
Então só assim, amadureço essa mulher que vive aqui, dentro de mim
e torno-me apta a ser a mulher que ama-te, enfim...

domingo, 13 de março de 2011

Oração

Deus,
Segure minha mão e não solte, por favor.
Acalme o coração quando acelera sem parar...
Preserve a coragem de viver, de sentir e superar.
Amém.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Mexendo no baú...

SEGUNDA-FEIRA, 23 DE JUNHO DE 2008
Resposta a Alberto Caeiro

Resposta a Alberto Caeiro
 Eu quero o olhar nítido como o girassol e não enxergar os fatos e pessoas com lentes de aumento. 
Eu quero sentir a realidade delas e saber viver todas as diferenças e dificuldades.
 Andar pelas estradas da vida com olhar de novidade mas tb com a resiliência para aquilo que já não é tão novo... Encher o coração de humildade e esvaziar minha "mochila" de rancor e mágoa. 
Bagagem por vezes inventada, por vezes atribuída. 
Quero não pensar e filosofar, apenas sentir. 
Quero os sentidos, quero a compreensão. 
Quero que o amor exista em mim porque sinto e não porque penso em amar. 
Salve o Girassol...quero buscar a luz...
D.Frick em Fitas de Cetim