sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Sabe?
Há um caminho para vencer a tristeza.
Nele, podem roubar toda a felicidade que estiver ao meu alcance.
Não tem problema! Porque ainda sim, conseguirei criar outra!
Renasço. Crio. Vivo.
Viver já é felicidade plena. Ter V-I-D-A.
Inveja-me!
Não há problema. Criarei felicidade suficiente para mim e para todos.
Viva mesmo a minha vida, minha felicidade, meu tudo e então deixará de ser humano,
para ser um vampiro emocional.
Triste fim.
Não o meu. O dos sem alma.
D.Frick

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Não temerei o mal.
Ainda que o coração sinta a pressão do choro contido,
ainda que a insônia desperte os pensamentos durante as noites solitárias,
ainda que a perseguição seja contínua e perseverante.
Não temerei.
Há o meu amor.
Há a minha fé.
Há a grandeza dos meus sonhos e  pensamentos.
Há a realização como ser humano.
Há Deus.
E Deus existe.
E contra Ele, nada poderá o mal.
D.Frick

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Sozinha.
Milhões de pessoas passam.
Sozinha.
Eu, o café, os livros e
a sabiá que constrói o ninho perto da janela.
Sozinha.
D. Frick

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Então finalmente a Dona encontrou o "caminho dos tijolos amarelos".
Finalmente ela tomou posse de todos os seus sonhos.
Finalmente ela encheu o coração com todos eles e 
teve, enfim, a noção do que é ter a alma  cheia de vida.
D.Frick

domingo, 7 de novembro de 2010

DOMINGO!

Hoje é domingo.
O dia está cheio de vida.
A vida contempla o meu dia!
O meu coração é ansioso!
Então, com licença, vou preenche-lo com o mundo,
Não quero perder um segundo!
Dessa ânsia de viver!
D.Frick

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

No silêncio da noite,
Aqui, sentada na minha velha poltrona,
eternizo o cheiro dos seus cabelos...
Faço de sua voz um mantra necessário,
guardo aqui dentro a beleza do seu sorriso.

No silêncio da noite,
Convido as palavras a dançarem na minha mente,
como sílfides alegres, reluzentes,
deixo o encantamento tomar conta de todo o meu ser.

No silêncio da noite,
Fico aqui, muda.
Tenho no próprio silêncio, o testemunho;
da magia possível quando visita-me em forma de sonhos,
No silêncio da noite...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Fonte: Anne Julie Aubry


Escrever a própria estória.
Sem pensar nos apagões, nas vírgulas do caminho.
Ter consciência de novos parágrafos,
novos capítulos e até edições.
Escrever a própria estória...
Contar com a inspiração que alguns provocam,
Saber que outros não inspiram sequer a própria vida.
D.Frick