quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Substituindo as páginas ruins...

"A VIDA PODE SER COMPARADA A UM LIVRO QUE SE ESCREVE. SUA BELEZA ESTÁ EM APRIMORAR OS BONS TEXTOS E SUBSTITUIR OS RUINS."
Rastros de luz

Estou sumida, eu sei...
Ando tentando entender como foi que fiz escolhas erradas e cheguei até aqui.
Só que esse tipo de pergunta fica no ar sempre, porque viver é isso...não é?
Então daqui pra frente, vou tentar mudar um pouco as páginas do meu livro...porque simplesmente cansei.
Cansei demais de todos que cobram por mudanças mas não fazem nada pra mudar.
Cansei de gente hipócrita que tenho que conviver e sempre se faz de santa.
O pior é que esse tipinho de gente consegue mudar o jogo e fazer com que todos acreditem que ela é a vitima e eu sou a bruxa.
Enfim, vou me afastar e matar um urso por dia.
Ou seja, expulsar toda essa toxicidade de perto de mim e da minha filha.
Muita coisa errada acontecendo, muita injustiça, muitos ataques sem que eu tenha  o direito de defesa.
Uma coisa é certa: eu vou dar a volta por cima. Pode apostar nisso.
Sou carne de pescoço. Não é tão fácil me derrubar assim!
Fica meu beijo a todos os seres do bem.
Fica minha piedade por todos os seres infelizes, recalcados, pequenos, mesquinhos e feios que andam por aí.
D.Frick

domingo, 11 de outubro de 2009

Os Filhos

Eu quero lembrar todos os dias quem eu sou verdadeiramente.
Assim, combato as influências toxicas das pessoas ao meu redor.
Lembrando quem eu sou, quero fortificar meus valores, mas quero sobretudo,
ter a ousadia de mudar o que precisa ser mudado, lapidar os erros até que se
tornem aceitáveis.
O ser humano erra. Sempre errará.
Mas o ser que é humano de fato, terá vontade de ser o bem, de sentir o bem.
Infelizmente há a hipocrisia, há o recalque, há a infelicidade, há o egoísmo, há o ciume
exarcebado, há a falta de controle na manipulação.
Que lição de vida estou tendo ultimamente.
É tão feio o que venho assistindo que o ciume pra mim, peculiar aos bons taurinos,
tornou-se um pecado capital, na qual me apavora a possibilidade de me igualar a certas pessoas.
Penso em como proteger minha filha, mas aí vem o meu grande desafio.
Há coisas que podemos fazer por eles e há outras que não.
Também sou filha e isso é fato.
Os filhos são para o mundo e Deus me livre sempre de me tornar um parasita na vida da minha filha.
Deus me livre sempre de fazer da vida dela, a minha bengala, o meu apoio.
Deus permita que eu tenha vida, vida própria, para compartilhar as conquistas, a vida da minha pequena ao invés de tentar controlar e mandar.
Deus permita que eu sempre acrescente, que eu seja exemplo e Deus permita que eu consiga evoluir sempre o meu viver.
Fica um texto que li recentemente e que é perfeito...
Bjos,
D.Frick


Os Filhos


(Do Livro "O Profeta")
Khalil Gilbran



Uma mulher que carregava o filho nos braços disse: "Fala-nos dos filhos."

E ele falou:



Vossos filhos não são vossos filhos.

São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.

Vêm através de vós, mas não de vós.

E embora vivam convosco, não vos pertencem.

Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,

Porque eles têm seus próprios pensamentos.

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;

Pois suas almas moram na mansão do amanhã,

Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.

Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,

Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.

Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.

O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força

Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.

Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:

Pois assim como ele ama a flecha que voa,

Ama também o arco que permanece estável. "

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Revolução Necessária

Pensei em escrever sobre pessoas parasitas.


Depois pausei os dedos no teclado e refleti com muita cautela sobre o que gostaria de escrever aqui hoje.

Então percebi: não queria expor como sinto as veias pulsarem, tão menos como meu coração está pequeno e angustiado nesse dia chuvoso.

Queria compor as palavras em forma de poesia, para assim colorir o que insiste em ficar cinza na minha vida...

Luto contra a falta de nobreza em pensamentos, há por certo uma resistência tola em querer afastar idéias nefastas.

Mas elas estão ali, martelando letra a letra na mente frágil, cansada, que luta todos os dias para construir e não destruir.

Preciso de tons fortes. Preciso do calor das cores.

Preciso deixar o cinza para as histórias tristes dos parasitas que insistem em sugar o néctar dos que tem vida.

Assim são eles. Assim sobrevivem por anos.

Não matam. Percebemos a presença diária deles.

Enfraquecem-nos em momentos.

Então justifico plenamente a obrigação que tenho em viver dos tons, fortificar os sons da minha voz e levantar bravamente para a revolução!

Dona Frick

domingo, 4 de outubro de 2009

Vazio

Há um vazio dentro de mim.


Há um vazio de coisas, de respostas,

De súplicas não ouvidas.

Há um gritar para todos ouvirem.

Há uma revolta que agita as águas desse oceano.

Onde estarão as bruxas?

Onde escondem as máscaras da hipocrisia?

Eu tenho conhecimento. Eu sei.

Enquanto amargo a transparência revelada aos meus olhos,

assisto o hipnotismo cruel dos que me cercam.

Eles não enxergam do que é feita a falsidade,

Eles não sentem a putrefação do escárnio escondido, abafado

em falsas pretensões benéficas.

Há um lobo vestido de cordeiro.

Quando cairá o manto da verdade?

Quando o lobo será revelado?

Há um grito dentro de mim.

Há um vazio dentro de mim.

Ninguém ouve.

Ninguém acredita.

E o vazio permanece.

Queima.

D.Frick

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Para minha Filha

Você é o sol da minha vida.


É luz o seu sorriso.

É lindo o modo como me diz eu te amo antes de dormir.

Sua luz para mim é tão intensa, as vezes ao educar-te,

Cega meus olhos...

Fico perdida enxergando tudo “azul” no meio da multidão.

É tão difícil acertar ou ter certeza de que se busca o acerto no caminho certo!

Mas o sol é assim: ele aquece, embeleza, mas também ofusca.

Por isso você é o sol.

Por isso eu te amo.



Sua mamãe,

D. Frick


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009


Lascas...
Queria muito ter lascas de grafite bruto em minhas mãos e com elas,

rabiscar livremente as imagens e figuras que vagueiam na mente em momentos como este.

Não tenho firmeza nos pulsos, os rabiscos nãos seriam tão precisos, mas o sentimento também não é.

Dispenso a aquarela. Não há cores nas tormentas que balançam o meu coração.

Há uma tempestade em preto e branco, com mares revoltos que respingam em meus olhos o sal do desespero.

Não há um desenho ordinário e

Sequer consigo ver o contrário das coisas tão duras que me abatem e desconheço.

São forças íntimas, esmagadoras, ocultas sempre!

De longe reveladoras...

Estou só. Procuro conforto em travesseiros imaginários e colos imaculados.

Eu peço perdão pela ausência de fé, já acreditando ser ela a única a me deixar de pé.

Eu choro por dentro, as lágrimas vem sem alento.

Eu agüento o tentar todos os dias em vão.

Arrasto correntes, não é tão novo o meu presente,

Eu preciso enxergar o que cega o meu coração!


Lendo os textos que escrevi no meu blog Fitas de Cetim, busquei esse texto que escrevi no início do ano.
Cabe para o momento atual...
D.Frick