sexta-feira, 31 de julho de 2009

Alma de artista

Não ter o que fazer é uma “droga” quando:

Realmente sua vida é um ócio completo sem projetos, sem sonhos e sem idealizações e realizações;
Quando você utiliza o ócio para pensar só nos problemas, nas fofocas, no que te irrita, no próprio ócio, seco, irritante.

Agora, quando dizem pra você que, você não tem o que fazer porque tem vontade e faz aquelas coisas mais loucas e sem sentido mas que te dão prazer, FIQUE FELIZ!

Sua ânsia de viver te faz de fato vivenciar tudo que lhe é prazeroso e provavelmente aquele que te critica não teve coragem de fazer o mesmo.

É simplesmente delicioso ter essa chance na vida. Chance de assumir que quer aprender francês, fazer bijoux, pathwork, bordados, ponto cruz, tricô, yoga, letras ou até mesmo faculdade de história, jornalismo, judô, quem sabe?

Assumir que desistiu de viver uma vida burocrática, que resolveu trabalhar de outra forma e que ama até mesmo o ócio com um bom chamego e beijos no “cangote”...

Vendo o filme e lendo sobre a história da minha querida Beatrix Potter, pude identificar isso tão perfeitamente.

Enquanto todos a criticavam por ser diferente, por ser corajosa, uma mulher à frente do seu tempo, ela firmava seus desejos e sua determinação para alcançar o topo de seus anseios.

Ser gente é normal.
Ter alma de artista, bem...é fenomenal!

Se as escolhas do próximo não ferem os seus direitos e sua vida, se as opiniões dos que te cercam não são as mesmas que as suas próprias opiniões, não quer dizer que o caminho correto é um ou outro. Quer dizer que somos diferentes e isso é maravilhoso.
Difícil, contudo, maravilhoso.

Que delícia a extravagância!

Bjos,
D. Frick

terça-feira, 28 de julho de 2009

Não quero ler os jornais.
Tão menos quero assistir o noticiário.
Entro em pânico com a lista de compras atual:
Gel antiséptico, máscaras, vitamina c...
Os dias passam e sinto que viver hoje em dia exige limitações.
É mais ou menos assim: ou você tem medo da violência,
do mendigo que mora na sua esquina dos pivetes que
assombram os sinais da sua cidade, dos traficantes que subornam, que matam, que viciam, dos pedófilos, ou você tem medo do espirro, da secreção, da tosse,
do banco do ônibus, e de todas as viroses entre outros "seres inanimados"que habitam
a lista de doenças da humanidade.
Vou te contar! Queria mesmo ser de outro tempo.
Daquele tempo que o medo maior era morrer titia sem casar, ou não virar Dr. para impressionar a família.
Os problemas mundiais existiam, mas vivia-se, sentia-se o dias.
Estou trancada na minha casinha.
Escrevendo, estudando e criando meu refúgio encantado...
Peguei minha mochila, minha filhota, meu amor, chocolates, um bom vinho, queijos, revistas e livros (da Clarice de preferência, ou quem sabe do Caio Fernando), coloco meu mp3 "ultra-mega- Sarcófago", café e creme. Pronto! Posso fugir e esperar quem sabe que o mundo se acalme, que o virus tome seu rumo pra bem longe daqui, que o pivete não me enxergue nunca, que a vida volte a ser vida...
Por favor não me chame de tola.
Preciso sonhar com meu mundinho encantado, senão eu piro...eu juro que piro...
D.Frick

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Quase um mês sem postar...
Destaque-se que, isso nem de longe significa estar desistindo ou ter deixado de escrever...
Muita coisa aconteceu, precisei ser esposa integral, mãe integral e essa doação me faz bem.
O período de reciclagem ainda está "vigente" e tenho tido coragem mais do que nunca de assumir isso..
Ah, também tem o concurso de fotografia de Niterói...
Dia 27 é o resultado...
Vamos ver...
voltei...ufa...
Devorando um leão por dia!
Bjos,
D. Frick