sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

"Amai-vos"

Simplesmente fabuloso...
Talvez esteja aí nosso desafio em amar com equilíbrio.
D.Frick

"Amai-vos...




Amai-vos um ao outro,

mas não façais do amor um grilhão.



Que haja, antes, um mar ondulante

entre as praias de vossa alma.



Enchei a taça um do outro,

mas não bebais da mesma taça.



Dai do vosso pão um ao outro,

mas não comais do mesmo pedaço.



Cantai e dançai juntos,

e sede alegres,



mas deixai

cada um de vós estar sozinho.



Assim como as cordas da lira

são separadas e,

no entanto,

vibram na mesma harmonia.



Dai vosso coração,

mas não o confieis à guarda um do outro.



Pois somente a mão da Vida

pode conter vosso coração.



E vivei juntos,

mas não vos aconchegueis demasiadamente.



Pois as colunas do templo

erguem-se separadamente.



E o carvalho e o cipreste

não crescem à sombra um do outro. "

Gibran Kahlil Gibran -

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Vagalume

Sabe?
Eu nasci vagalume, minha luz vem de dentro, vem do amor, vem do alento, que se tem ao ter fé.
É o que dizem de mim, e sabe? Sinto assim, quando vejo a inveja em teus olhos.
É ruim enxerga-la, porque sei que a vida parece não ser como você quer.
Ela passou, te devorou, metade dos seus sonhos se enterraram no tempo, não é?
A vida também passa pra mim. Eu também sofro e também tenho marcas imensas das presas vorazes do tempo.
Contudo, minha luz permanece. É minha fé que me aquece, mesmo quando eu perco força, fico fraca diante de toda a maldade que você descarrega na minha vida.
Não me culpe pela luz que eu emito.
Não me culpe por satisfazer meus dias, com gestos delicados, com um sorriso no rosto, com a felicidade de ser amada.
Não perca seu tempo, disputando comigo, querendo fazer do meu viver um sentido pra sua vida totalmente vazia.
Aproveite cada conta que reza, cada vez que eleva sua voz à Deus e peça pra que ele tire dos seus olhos, sobretudo do seu coração, o ranso de ser cega, a infelicidade de não conseguir ver a felicidade alheia e principalmente a falta de coragem de buscar sua própria luz.
De D.Frick para uma pessoa que com certeza tem uma função ruim  na minha vida. Do contrário, não passaria por tantos dissabores ao longo dessa caminhada...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

28 de Novembro!



Sabe? Não há cartão ou cartaz que possa dizer, aquelas coisas que só a gente sabe...


Os desejos, o agradecimento sincero e grandioso, por tudo que você representa.

É o existir que já nos basta. É saber que passar por tudo com você por perto? Sim! A gente passa!

Porque você é luz, é força, é energia, é confiança.

Mesmo quando sente medo, quando sente insegurança, quando sente que não tem forças para ajudar mais...

Então, novamente você surpreende e mostra que força de mãe é tudo, é força até quando abre mão das coisas, dos momentos, dos finais de semana, das horas juntos, só pra saber que os filhos estão felizes...

Quando somos elogiados, quando somos reconhecidos, sabemos que em nós há o reflexo do que você é.

Porque mãe, somos hoje tudo que somos, porque refletimos VOCÊ.

Então, diante de tudo isso, diante da vida que temos e do que somos todos os dias, não há como agradecer em palavras...tão menos dimensionar o quanto queremos que você tenha tudo de especial que só Deus pode nos dar...

Porque pra você desejamos tudo: saúde, paz, os sonhos, a busca e realização deles, o amor, a alegria de viver renovada, aquela que a gente sente, toda vez que você simplesmente nos acena e sorri...

TE AMO LOUCAMENTE.

TE AMO PRA SEMPRE.

PARABÉNS MAMA...

VOCÊ É TUDO...QUERIA QUE SOUBESSE DISSO...







quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Sempre fui revolucionária nos pensamentos. (nem sempre nas atitudes)
Talvez seja por isso que algumas pessoas se acham no direito de tentar enganar, trair, fazer mal e falar o que quer com o simples intuito de me atingir.
 Educada?
Não sei.
Meu estilo de longe adequa-se à realidade de acordo com as regras da sociedade que vivo.
Sim. Quem sonha hoje em dia parece ter que justificar com recursos em várias instâncias, sobre seus sonhos,
suas atitudes e até o medo enquanto corre atras desses sonhos.
Felizmente estou tentando reformular minha vida e correr atras deles levando atras minha "vidinha", Duduca.
Enquanto escrevo no meu velho pc, ouvindo a cigarra tagarelar lá fora, vou colocando força nas palavras que digito, tendo certeza que a vida é maravilhosa quando entramos no "plano além".
"O plano além" é simplesmente maravilhoso e te projeta a uma dimensão onde os cínicos, os falsos, os invejosos, os recalcados, os covardes, problemáticos, enfim, as criaturas de pouca luz, não conseguem atingir você.
E descobri que enquanto faço essa escolha, enquanto projeto meu coração a esta dimensão, tenho recaídas, contudo, levanto e volto cada vez mais forte.
Estou pensando em tantas coisas, estou feliz por conseguir superar tudo de ruim que tentam fazer para atrapalhar a felicidade alheia.
Todos nós temos problemas, mas todos nós temos a escolha:
Ou viramos recalcados invejosos secando a vida dos outros que nos cercam e deixando a vida passar, ou, encaramos os problemas, aceitamos a dor que muitas vezes eles causam e superamos e crescemos aprendendo a tirar o melhor, mesmo quando tudo parece ser o pior.
É maravilhoso estar como estou...Um certo transe toma conta de mim e nem a TPM está conseguindo atrapalhar a fluência de como ele toma conta do meu corpo e do meu coração.
Um ótimo feriado pra vocês!
D. Frick

Ps: A cada dia gosto mais e mais da ousadia de Yoani Sánchez(autora do blog http://www.desdecuba.com/generaciony/) É issó aí querida! (agora surtei achando que sou íntima, rsrsrs)Quando temos coragem para falar sobre nossas opiniões e mostrar tudo sem máscaras, muitos tentam sufocar nossos gritos...Só que nossos gritos ultrapassam qualquer barreira...porque eles vem do coração, com paixão...é disso que se trata...

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Substituindo as páginas ruins...

"A VIDA PODE SER COMPARADA A UM LIVRO QUE SE ESCREVE. SUA BELEZA ESTÁ EM APRIMORAR OS BONS TEXTOS E SUBSTITUIR OS RUINS."
Rastros de luz

Estou sumida, eu sei...
Ando tentando entender como foi que fiz escolhas erradas e cheguei até aqui.
Só que esse tipo de pergunta fica no ar sempre, porque viver é isso...não é?
Então daqui pra frente, vou tentar mudar um pouco as páginas do meu livro...porque simplesmente cansei.
Cansei demais de todos que cobram por mudanças mas não fazem nada pra mudar.
Cansei de gente hipócrita que tenho que conviver e sempre se faz de santa.
O pior é que esse tipinho de gente consegue mudar o jogo e fazer com que todos acreditem que ela é a vitima e eu sou a bruxa.
Enfim, vou me afastar e matar um urso por dia.
Ou seja, expulsar toda essa toxicidade de perto de mim e da minha filha.
Muita coisa errada acontecendo, muita injustiça, muitos ataques sem que eu tenha  o direito de defesa.
Uma coisa é certa: eu vou dar a volta por cima. Pode apostar nisso.
Sou carne de pescoço. Não é tão fácil me derrubar assim!
Fica meu beijo a todos os seres do bem.
Fica minha piedade por todos os seres infelizes, recalcados, pequenos, mesquinhos e feios que andam por aí.
D.Frick

domingo, 11 de outubro de 2009

Os Filhos

Eu quero lembrar todos os dias quem eu sou verdadeiramente.
Assim, combato as influências toxicas das pessoas ao meu redor.
Lembrando quem eu sou, quero fortificar meus valores, mas quero sobretudo,
ter a ousadia de mudar o que precisa ser mudado, lapidar os erros até que se
tornem aceitáveis.
O ser humano erra. Sempre errará.
Mas o ser que é humano de fato, terá vontade de ser o bem, de sentir o bem.
Infelizmente há a hipocrisia, há o recalque, há a infelicidade, há o egoísmo, há o ciume
exarcebado, há a falta de controle na manipulação.
Que lição de vida estou tendo ultimamente.
É tão feio o que venho assistindo que o ciume pra mim, peculiar aos bons taurinos,
tornou-se um pecado capital, na qual me apavora a possibilidade de me igualar a certas pessoas.
Penso em como proteger minha filha, mas aí vem o meu grande desafio.
Há coisas que podemos fazer por eles e há outras que não.
Também sou filha e isso é fato.
Os filhos são para o mundo e Deus me livre sempre de me tornar um parasita na vida da minha filha.
Deus me livre sempre de fazer da vida dela, a minha bengala, o meu apoio.
Deus permita que eu tenha vida, vida própria, para compartilhar as conquistas, a vida da minha pequena ao invés de tentar controlar e mandar.
Deus permita que eu sempre acrescente, que eu seja exemplo e Deus permita que eu consiga evoluir sempre o meu viver.
Fica um texto que li recentemente e que é perfeito...
Bjos,
D.Frick


Os Filhos


(Do Livro "O Profeta")
Khalil Gilbran



Uma mulher que carregava o filho nos braços disse: "Fala-nos dos filhos."

E ele falou:



Vossos filhos não são vossos filhos.

São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.

Vêm através de vós, mas não de vós.

E embora vivam convosco, não vos pertencem.

Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,

Porque eles têm seus próprios pensamentos.

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;

Pois suas almas moram na mansão do amanhã,

Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.

Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,

Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.

Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.

O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força

Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.

Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:

Pois assim como ele ama a flecha que voa,

Ama também o arco que permanece estável. "

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Revolução Necessária

Pensei em escrever sobre pessoas parasitas.


Depois pausei os dedos no teclado e refleti com muita cautela sobre o que gostaria de escrever aqui hoje.

Então percebi: não queria expor como sinto as veias pulsarem, tão menos como meu coração está pequeno e angustiado nesse dia chuvoso.

Queria compor as palavras em forma de poesia, para assim colorir o que insiste em ficar cinza na minha vida...

Luto contra a falta de nobreza em pensamentos, há por certo uma resistência tola em querer afastar idéias nefastas.

Mas elas estão ali, martelando letra a letra na mente frágil, cansada, que luta todos os dias para construir e não destruir.

Preciso de tons fortes. Preciso do calor das cores.

Preciso deixar o cinza para as histórias tristes dos parasitas que insistem em sugar o néctar dos que tem vida.

Assim são eles. Assim sobrevivem por anos.

Não matam. Percebemos a presença diária deles.

Enfraquecem-nos em momentos.

Então justifico plenamente a obrigação que tenho em viver dos tons, fortificar os sons da minha voz e levantar bravamente para a revolução!

Dona Frick

domingo, 4 de outubro de 2009

Vazio

Há um vazio dentro de mim.


Há um vazio de coisas, de respostas,

De súplicas não ouvidas.

Há um gritar para todos ouvirem.

Há uma revolta que agita as águas desse oceano.

Onde estarão as bruxas?

Onde escondem as máscaras da hipocrisia?

Eu tenho conhecimento. Eu sei.

Enquanto amargo a transparência revelada aos meus olhos,

assisto o hipnotismo cruel dos que me cercam.

Eles não enxergam do que é feita a falsidade,

Eles não sentem a putrefação do escárnio escondido, abafado

em falsas pretensões benéficas.

Há um lobo vestido de cordeiro.

Quando cairá o manto da verdade?

Quando o lobo será revelado?

Há um grito dentro de mim.

Há um vazio dentro de mim.

Ninguém ouve.

Ninguém acredita.

E o vazio permanece.

Queima.

D.Frick

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Para minha Filha

Você é o sol da minha vida.


É luz o seu sorriso.

É lindo o modo como me diz eu te amo antes de dormir.

Sua luz para mim é tão intensa, as vezes ao educar-te,

Cega meus olhos...

Fico perdida enxergando tudo “azul” no meio da multidão.

É tão difícil acertar ou ter certeza de que se busca o acerto no caminho certo!

Mas o sol é assim: ele aquece, embeleza, mas também ofusca.

Por isso você é o sol.

Por isso eu te amo.



Sua mamãe,

D. Frick


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009


Lascas...
Queria muito ter lascas de grafite bruto em minhas mãos e com elas,

rabiscar livremente as imagens e figuras que vagueiam na mente em momentos como este.

Não tenho firmeza nos pulsos, os rabiscos nãos seriam tão precisos, mas o sentimento também não é.

Dispenso a aquarela. Não há cores nas tormentas que balançam o meu coração.

Há uma tempestade em preto e branco, com mares revoltos que respingam em meus olhos o sal do desespero.

Não há um desenho ordinário e

Sequer consigo ver o contrário das coisas tão duras que me abatem e desconheço.

São forças íntimas, esmagadoras, ocultas sempre!

De longe reveladoras...

Estou só. Procuro conforto em travesseiros imaginários e colos imaculados.

Eu peço perdão pela ausência de fé, já acreditando ser ela a única a me deixar de pé.

Eu choro por dentro, as lágrimas vem sem alento.

Eu agüento o tentar todos os dias em vão.

Arrasto correntes, não é tão novo o meu presente,

Eu preciso enxergar o que cega o meu coração!


Lendo os textos que escrevi no meu blog Fitas de Cetim, busquei esse texto que escrevi no início do ano.
Cabe para o momento atual...
D.Frick

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A vida é frágil.
Tão delicada.
Viver é intenso.
Mas tem suas máscaras.
Sensibilidade é tão necessária...
Sentir as pessoas, os fatos, os laços de carinho com cada um.
Corremos por aí feito loucos, a corrida ambiciosa nos deixa tontos,
Sem permitir que percebamos os gritos de ajuda daqueles que amamos, que admiramos...
Com isso o tempo passa e limitamos nossos diálogos aos "ois" e " vamos combinar?" e tudo fica tão superficial, tão vazio...
É preciso viver de verdade. É preciso viver a vida.
Pois como diz a música: " o que se leva da vida, é a vida que se leva..." não é?
Estou muito chocada com sua partida Patrick. Estou triste.
Que desperdício. Que triste saber que sua alegria foi roubada...
Descanse em paz.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Acordar

Acordar:
rasgar a camisola velha,

dar chance a velhas ideias presas na garganta.

Levantar:

colocar os pés no chão,

sonhar sem que isso seja em vão,

sem que os sonhos levem-me pra longe.

Sentir:

o sentimento alheio, o amor sem receio,

de ser amada, de ser querida.

Acreditar:

em quem você é.

em quem você pode ser.

em tudo que você possa querer nessa vida.

Perdoar:

superar o rancor,

jogar fora as mágoas, as feridas ou afundá-las,

nos baús tão profundos da vida.

Fortalecer:

os princípios, objetivos, sentidos, o viver.

Acalmar:

A tempestade interna, os ventos que abrem as janelas,

Arrancam e jogam as coisas no chão.

Tornar a ventania, brisa,

Calma, leve, suave, a nos guiar sem entraves, simples,

Como deve ser.

D.Frick

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

A menina acreditava em contos de fada.
Acreditava nas torres, nas tranças da Rapunzel, nos suspiros dos filmes de amor.
Acreditava nos sorrisos, nas pessoas, nos dizeres, nas declarações mesmo que vazias.
Era assim, um depósito de sonhos ambulante.
Sonhava, sonhava...planejava, planejava.
Sua ambição não era material, não se comprava em uma loja, tão menos poderíamos ver em vitrines.
Era sentimento, era forte, era intocável...
A menina cresceu. Os seios cresceram, os pés, os quadris também.
Com ela cresceram os sonhos, amadureceram e tomaram formas diversas.
Contudo, a menina sofreu.
Sofreu a dor, a perda, a decepção, a percepção das coisas no mundo real.
Já não era permitido sonhar. Sonhar custava caro.
Viveu teimando em voar na imaginação, machucava os joelhos a cada tombo e desistiu.
Acabou assim: uma pessoa tão triste, tão desanimada, um girassol murcho, olhando para o chão.
Os dias passaram.
A menina era mulher.
A mulher, era menina.
Seus sonhos permaneceram, ali, deitados no fundo do seu coração.
Os dias passaram rápidos, eles quiseram acordar.
Acordaram então para um novo dia.
A menina despertou, não chorava mais,
Andava a passos lentos, envelhecidos, mas sobretudo, sorria.

sábado, 19 de setembro de 2009

Tendo certeza de algumas coisas na vida:

A avareza é podre,
O ser humano consegue ser também.
O dinheiro muda as pessoas.
Pimenta nos olhos dos outros realmente é refresco.
As pessoas falam o que querem, contudo, não gostam de ouvir as respostas.
O desprezo dói apenas quando você espera realmente algo de quem o despreza, caso contrário, ele passa a ser indolor.
Finalmente a certeza maior: o amor da minha filha e das pessoas que realmente me amam, fazem as certezas acima serem absolutamente abstraídas...

Essa semana constatei também que dar novas chances a pessoas más, não vale definitivamente a pena.
A não ser que, você queira se intoxicar de novo.
É isso.
Semana que vem prometo voltar ao normal.
Ainda estou em processo de desintoxicação. Muita gente desprovida de amor, de carinho, realizações, vida resolvida, enfim...muita gente invejosa tentando entrar no meu caminho...mas minha fé e meu amor à vida, atropelou isso tudo!
Ah, pensando também em mudar minha assinatura...não sei se meu propósito merece um nome que herda tanta coisa ruim...
Mudanças a vista!!!!!!

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Diálogo curto e grosso com tolerância zero, entre um demente e uma pobre mulher (que decidiu não ser workaholic e capacho para chefe abusada, ganhando uma merreca) ficando em casa para estudar:
"- Quer dizer que você agora é uma dona de casa?
- Não querido, virei dondoca mesmo, daquelas que não lavam um copo pra não estragar as unhas."

Ahhhh, por favor"!
Desde quando só se respeita mulheres que trabalham como loucas ou que trabalham fora?
Alguém pode respeitar por favor o fato de que não trabalhar fora, significa algo bem diferente de dona de casa?
Minha paciência acabou e meu respeito acabou também por algumas pessoas que se acham no direito de hostilizar o ser humano que não está trabalhando em empresas importantes, ganhando tubos de dinheiro e gastando tubos também pra mostrar que é fodão.
Quanta gente que eu conheço que vende a alma pra manter um status que é bem diferente da carteira que carrega na bolsa?
Então é isso, liguei o f para o status, liguei o f para os bestinhas de plantão e abri um grande parênteses aqui pra deixar registrado o meu desabafo.
Respeite a vida alheia!
Já é um bom começo.
D. Frick

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Nem tente chegar perto de mim com sua criptonita.
Quero distância da toxicidade das pessoas.
Afastem-se vampiros!
No meu pescoço meu bem, só mesmo afagos e beijos do meu marido...
Portanto, sem possibilidade de sugar minha energia!

sábado, 12 de setembro de 2009

Sem inspiração nesses dias.
Inquieta com a mesquinharia humana.
Chateada com a manipulação alheia.
Irritada com quem não é feliz e tenta destruir a felicidade dos outros.
Vou me recuperar...
vou me recuperar...
D.Frick

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Mosaico Encantado

Quero fazer um mosaico com os cacos que sobraram de mim...
Muitos deles ainda estão espalhados no chão.
A ingratidão bateu forte na minha porta, arrebentando tudo,
Magoando meu coração.
Os abutres riem de mim, debocham, jogam contra.
Não me importo.
Não me importo com os cacos, não me importo com os risos.
O meu desejo e o meu sonho estão vivos dentro de mim e isso é o que importa.
Doeu ver pessoas importantes não acreditando neles, mas e daí?
Quebraram-me, abalaram as estruturas, mas renasço.
Renasço com lindos cacos e ao longo do caminho,
quem sabe não teremos minha história toda contada em mosaicos encantados...

Por você Duduca

Por você Duduca,
Vamos montar um mosaico com os cacos que restaram de mim.
Quem sabe não conseguiremos montar uma linda obra de arte que consiga refletir o amor que eu sinto por você...
Bjos D. Frick

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Fechada para Balanço

fechada para balanço.
talvez balance balance, balance, minha cabeça até conseguir esquecer o que ouvi hoje.
bjos,
D. Frick

sábado, 5 de setembro de 2009

Para Nat

Hoje eu vou dilatar meus poros,


Jogar purpurina nos meus olhos,

Dançar a noite inteira...

Hoje eu vou brindar a vida,

O sucesso, o início de um novo ciclo.

Um brinde a minha irmã querida,

Um brinde ao “Viver a vida!”

Para você Nat.
Te amo.
Tenho verdadeiro orgulho de você.
Bjos,

D. Frick

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Já tinha esquecido a sensação única antes da tempestade ácida.
O tremor, o silêncio eloquente, aquela sensação depressiva.
É quase como um efeito colateral, você se molha e então começa a ficar mal, triste,
com alto grau de toxicidade.
Pensei já ter armaduras para  impedir que as gotas dessa chuva me atingissem. Tenho uma, mas ela  não é tão forte assim...
Talvez seja porque como armadura uso um aço falso...
A armadura tem que estar em mim...não nas ferrugens que encontro nas pessoas...
 É quase que um exercício diário, lembrar que, a proteção para o meu coração tem que partir de um lugar único: o meu interior...

terça-feira, 1 de setembro de 2009

To precisando de um casulo,
onde eu possa ficar, me esconder.
Alguém tem um para me dar?
To precisando de abrigo,
de um colo, de amigos para não me deixar abater.
Minha barriga  tem um enorme buraco,
Alguém tem um cream cracker imaginário,
Assim ela para de doer...

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

E lá se foi agosto,


Chamado mês do desgosto,

Que apelido tão tosco foi esse, meu camarada?

E lá se vai mais um mês nesse ano,

Fazendo a gente correr contra o tempo tentando ser feliz...

A vida é tão frágil, tão rápida...

Que missão incrível...

Missão onde sou eterna aprendiz...

domingo, 30 de agosto de 2009

Por amor

O que você quer?
O que quer de mim?
Sinto o tudo e o nada.
Fico a "ver navios" nessa estrada,
achando que meu lugar não é aqui...
Queria ser um monge, ter a paciência,
ter calma para sentir essa pressão aqui no meu peito.
Sentir a contradição de sentidos, sem abalar meu coração,
sem sofrer tanto os efeitos...
Eu estou no lugar errado, fazendo coisas certas.
Sem querer eu arrumo tudo, mas aí passa o tempo,
sou cego, sou mudo.
Sobra nada dentro de mim.
Sou eu a fonte de energia, chego arrumo e acendo o dia,
Depois hiberno em um inverno sem fim.
Quando será que deixarei de ser assim?
Só doação, sem cuidar de mim?
Sem ter cautela, sem cuidar do meu coração?
Deixe-me  quieta.
Quero o silêncio dessa solidão,
prefiro o dia mudo a ficar nessa multidão de humanos, de loucos, insanos...
Deixe-me só.
quero destilar o veneno, que injetaram no meu peito.
Preciso arranjar um jeito de não paralizar com essa dor.
O ser humano consegue ser lindo e feio, contradição de adjetivos...
É mesquinho, é cena de horror.
Minhas veias aguentam esse fluxo.
Sou forte, sinto o "ópio" do interesse, da inveja, do rancor.
Destilo e transbordo com urgência, superando,
Tudo isso por amor...
D. Frick

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Vem cá,


Desliga o computador,

Joga fora essa dor que aperta aqui dentro...

Vem cá, rasga minha roupa desbotada,

Suja minha cara lavada,

Me agarra, me joga sem pudor...



Preciso de mãos firmes,

Preciso de escândalo,

Sai desse sofá, corre!

Senão o amor morre,

O tesão foge,

Pra nunca mais voltar...



To querendo o risco,

To querendo o riso, os lábios,

O cheiro, dizer não ao torpor!

To querendo os braços, amassos,

To querendo calor...



Que bom que me atende,

Que bom que entende calado,

Nossa volúpia tão louca,

Nosso ‘tirar a roupa’tão descuidado...

Nosso tesão, nosso amor.

D. Frick
Hoje eu to tão "Zélia"..
Respirando Zélia, ouvindo Zélia...
Deve ser a dor de cotovelo por não ir ao show amanhã...

"Pode me largar


Que eu tenho pressa

Não me interessa

Sua beca

Ou seu perfume francês

Meu corpo agora

Só fala português

E é assim que eu gosto

Me toca mais

O detalhe

Do que os luxos

Eu não sigo o fluxo

Faço o caminho

Que me parecer

Mais justo.



Fala baixo

Que eu escuto

Eu pressinto tudo

O que você não quis dizer

Então

Pode me largar

Pode sair da frente

Já sei

Que eu sou diferente

Mas é assim que eu gosto, entende? "

Ai, ai...sou euuuuu!
até amanhã..
D.Frick

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

No meu planeta...

No meu planeta, a maldade é muito feia.
Ela insiste em ficar, "esperneia",
Mas eu chuto ela porta a fora...
Eu me fecho numa "bolha mágica" onde ela jamais tem passagem e
tento fazer com que no final de tudo,
o bem permaneça em mim,
no seu extrato, puro...

D. Frick

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Eu sentia medo.


Eu apoiava minhas mãos em qualquer base que me sustentasse.

Pessoas eram bases, motivos eram nada mais que justificativas baratas...

Eu fiquei sem chão, meus pés flutuavam aflitos.

Eu gritava sem som de grito. Eram sussurros incapazes de chamar atenção.

Mastigaram o alimento por mim, respiraram o ar que inflava meus pulmões...

Mas a palavra ficou retida. Ficou em mim tatuada, reprimida.

Eu coleciono as sensações das letras caminhando em mim.

Eu consigo sentir a penetração profunda dessa descoberta, das palavras acolhidas.

O expurgo delas é necessário, o vulcão de linhas sai assim, dia a dia.

Transbordei a vida e a ânsia de ser.

Não agüentava mais me esconder.

Então sou. Apenas sou e o que sou, bem... já não depende mais de ninguém,

só de viver.

D. Frick

Girassol

Ser como o sol que ilumina o dia, talvez precise de atalhos não padronizados pela sociedade.
Na vida nem sempre utilizamos os atalhos comuns para atingir a luz.
Iluminar a vida das pessoas é uma grata experiência de vida.
Contudo ser iluminado também é necessário!
Somos girassóis andarilhos pelas estradas da vida...
Boa semana a todos os seres de luz e aos que precisam dela também...
D. Frick

domingo, 23 de agosto de 2009

Descobrindo e esperando...

Descobrindo as pessoas, momentos diferentes...
Esgotando possibilidades de superação...
Ajustando ponteiros que não se moviam... e também...
...esperando mama, que chega hoje...
Saudade é grande!
volto já!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Para Dulce

Para Dulce
"Dócil, doce Dulce
de face vermelha,
doce rosa airosa,
a fugir da abelha..." *

Chamei por ti,
Alertei sobre a tempestade.
Ventos levam e trazem coisas,
Desisti de impedir a passagem.

Você não enxerga que meus passos,
Já não são tão pequenos,
Passos largos, to seguindo,
To mudando o meu terreno.

Careço dos teus braços,
Do cumprir às tuas promessas.
Dos sonhos digitados juntos,
Do amor, dos laços.

Corre! Ainda é tempo.
Ou o tempo não é suficiente?
Quando vais entender?
Que é covardia, o que sentes?

Busca tua coragem,
Aprende a amar!
O vento ta me levando...
Não sei se posso esperar!

* Cecília Meireles
Canção de Dulce

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Hoje há uma grande seca dentro de mim.
As flores que brotam do meu peito crescem pequenas, tímidas, bravas lutadoras.
Reservo a água dos mananciais da vida e insisto em regá-las.
Nesse sertão da vida, é preciso o improviso!
Superar o sol quente, o ar agressivo, seco, invasor.
Pareço frágil ante as dificuldades desse sertão.
Mas não posso ser frágil.
Tenho medo. Mas não sou frágil.
Ter receio não significa deixar-se virar galhos secos.
Galhos secos seriam a morte.
Não morro, não desta forma.
Vivo.
Estou vivo? Passo os dias tentando entender que superar é viver.
E viver meu amigo, é entender o significado da palavra evolução.
No caminhar por esse sertão, existem marcas, sulcos profundos.
Mas ao caminhar, carrego meu coração, meus sonhos.
Deixo o que é mal enterrado, bem lá no fundo.
Sonho em conseguir superar as rachas desse chão sofrido. Procuro enxergar as flores
que nascem lindas e teimosas nos cactos do caminho.
O céu ainda é azul celeste, os pássaros ainda fazem seus ninhos.
Inspiro-me neles.
Enquanto isso, aguardo a chuva. Ela é a espera nesse sertão da vida,
Ela me lava, renasço e recomeço no sertão o que é o meu destino.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Tricotando

Vou tricotando meus sentimentos,
Laçando cada palavra que insiste em escapar,
Minha boca é ponto perdido,
Fica um buraco quando você não está.

domingo, 16 de agosto de 2009

sábado, 15 de agosto de 2009

Eu vou fugir na estrada,
Eu vou procurar o que perdi.
O que não tive e o que ainda está por vir.
Eu vou voltar pra casa, eu vou criar o caos e a ordem,
Eu preciso sentir essa imensa desordem,
pra arrumar minhas palavras de novo e
sentir talvez, que movi as peças do jogo...
To sentindo medo,
To sentindo euforia,
To sentindo amor,
To sentindo alegria,
To sentindo...
Me deixa sentir! Sou todos os sentidos...
Sou presença, sou ausência,
Estava tão longe daqui...
Fugi desse mundo, sem nunca ter ido...

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Loucura

É engraçado descobrir as loucuras que existem na nossa personalidade, na nossa forma de agir, de olhar pro mundo.
Ainda mais quando a sociedade acha que uma mãe de família não deve jamais ousar e tentar viver e pensar de forma diversa.
Prefiro imaginar minha vida como uma colcha feita de retalhos que simbolizam cada pensamento meu caótico perante o mundo.
Fico aqui pensando nas loucuras que fazem parte da minha colcha de retalhos e não me assusto mais quando afirmo pra mim que eles estão corretos. É assim que penso.
Os valores, os principais, os humanitários, estão aqui. Quero passá-los para minha filha com todo carinho. Isso não vai mudar.
Ela vai crescer e vai criar os outros valores assim como eu também estou criando agora.
Tarde? Aos trinta dois anos?
Não. Nunca. Nem se tivesse com oitenta anos desistiria.
Bjos,
D. Frick

“Meu defeito estava no fato de que eu vinha de outro planeta lingüístico. Planeta de uma linguagem feminina que eu ainda tinha de inventar.”
Salwa Al- Neimi

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Bicho Carpinteiro

"Bicho carpinteiro = escaravelho roedor de madeira"
Hummm, então é assim que estou.
Ando roendo minhas idéias por dentro, tentando achar um jeito de continuar escrevendo, estudando e lógico, ganhando dinheiro.
Há um bicho desses entre outros dentro de mim, que aponta o caminho que devo seguir.
Mas esse caminho é dolorido. É complicado e requer muita doação.
Desde o dia que resolvi assumir o que sou, vivo na corda bamba.
Vivo com o coração aos pulos e passo por obstáculos que tentam me colocar totalmente pra baixo.
Algumas pessoas pensam que sou louca, que sou dispersa, que não tenho objetivos.
Penso o contrário.
Acho que nunca tive tantos objetivos na minha vida como agora.
Dispersei antes. Deixei a vida passar.
Agora sou eu que estou passando. Com licença, eu vou à luta.
bjos,
D. Frick

"Eu só conheço mulher louca. Pense em qualquer uma que você conhece e me diga se ela não tem ao menos três dessas qualificações: exagerada, dramática, verborrágica,
maníaca, fantasiosa, apaixonada, delirante. Pois então. Também é louca. E fascinante.
Nossa insanidade tem nome: chama-se Vontade de Viver até a Ultima Gota. Só as cansadas é que se recusam a levantar da cadeira para ver quem está chamando lá fora.
E santa, fica combinado, não existe. Uma mulher que só reze, que tenha desistido dos prazeres da inquietude, que não deseje mais nada? Você vai concordar comigo:
só sendo louca de pedra."
Trecho da crônica. "Doidas e Santas" de Marta Medeiros

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Desejo é...

Querer o gosto da língua,
O toque dos dedos,
A respiração na nuca,
Perder-se em devaneios.
Querer estar ofegante,
querer mordidas e risos,
Querer sentir fortemente,
Sem medo, sem juízo...

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Alma de artista

Não ter o que fazer é uma “droga” quando:

Realmente sua vida é um ócio completo sem projetos, sem sonhos e sem idealizações e realizações;
Quando você utiliza o ócio para pensar só nos problemas, nas fofocas, no que te irrita, no próprio ócio, seco, irritante.

Agora, quando dizem pra você que, você não tem o que fazer porque tem vontade e faz aquelas coisas mais loucas e sem sentido mas que te dão prazer, FIQUE FELIZ!

Sua ânsia de viver te faz de fato vivenciar tudo que lhe é prazeroso e provavelmente aquele que te critica não teve coragem de fazer o mesmo.

É simplesmente delicioso ter essa chance na vida. Chance de assumir que quer aprender francês, fazer bijoux, pathwork, bordados, ponto cruz, tricô, yoga, letras ou até mesmo faculdade de história, jornalismo, judô, quem sabe?

Assumir que desistiu de viver uma vida burocrática, que resolveu trabalhar de outra forma e que ama até mesmo o ócio com um bom chamego e beijos no “cangote”...

Vendo o filme e lendo sobre a história da minha querida Beatrix Potter, pude identificar isso tão perfeitamente.

Enquanto todos a criticavam por ser diferente, por ser corajosa, uma mulher à frente do seu tempo, ela firmava seus desejos e sua determinação para alcançar o topo de seus anseios.

Ser gente é normal.
Ter alma de artista, bem...é fenomenal!

Se as escolhas do próximo não ferem os seus direitos e sua vida, se as opiniões dos que te cercam não são as mesmas que as suas próprias opiniões, não quer dizer que o caminho correto é um ou outro. Quer dizer que somos diferentes e isso é maravilhoso.
Difícil, contudo, maravilhoso.

Que delícia a extravagância!

Bjos,
D. Frick

terça-feira, 28 de julho de 2009

Não quero ler os jornais.
Tão menos quero assistir o noticiário.
Entro em pânico com a lista de compras atual:
Gel antiséptico, máscaras, vitamina c...
Os dias passam e sinto que viver hoje em dia exige limitações.
É mais ou menos assim: ou você tem medo da violência,
do mendigo que mora na sua esquina dos pivetes que
assombram os sinais da sua cidade, dos traficantes que subornam, que matam, que viciam, dos pedófilos, ou você tem medo do espirro, da secreção, da tosse,
do banco do ônibus, e de todas as viroses entre outros "seres inanimados"que habitam
a lista de doenças da humanidade.
Vou te contar! Queria mesmo ser de outro tempo.
Daquele tempo que o medo maior era morrer titia sem casar, ou não virar Dr. para impressionar a família.
Os problemas mundiais existiam, mas vivia-se, sentia-se o dias.
Estou trancada na minha casinha.
Escrevendo, estudando e criando meu refúgio encantado...
Peguei minha mochila, minha filhota, meu amor, chocolates, um bom vinho, queijos, revistas e livros (da Clarice de preferência, ou quem sabe do Caio Fernando), coloco meu mp3 "ultra-mega- Sarcófago", café e creme. Pronto! Posso fugir e esperar quem sabe que o mundo se acalme, que o virus tome seu rumo pra bem longe daqui, que o pivete não me enxergue nunca, que a vida volte a ser vida...
Por favor não me chame de tola.
Preciso sonhar com meu mundinho encantado, senão eu piro...eu juro que piro...
D.Frick

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Quase um mês sem postar...
Destaque-se que, isso nem de longe significa estar desistindo ou ter deixado de escrever...
Muita coisa aconteceu, precisei ser esposa integral, mãe integral e essa doação me faz bem.
O período de reciclagem ainda está "vigente" e tenho tido coragem mais do que nunca de assumir isso..
Ah, também tem o concurso de fotografia de Niterói...
Dia 27 é o resultado...
Vamos ver...
voltei...ufa...
Devorando um leão por dia!
Bjos,
D. Frick

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Atualização automática

Pego o telefone, ligo pra ele.
Queria dizer o quanto o amava.
É engraçado o quanto esse ato é contraditório porque sabemos do amor, dispensando qualquer fala a respeito do que é inexplicável e imensurável mas queremos ouvir, faz bem ouvir.
Ele atende o telefone e diz sem saber o porque da ligação:
"- eu também."
Sempre foi assim. Mesmo com todos os erros dele, mesmo com todas as brigas, sempre foi assim: Diferente. Sintonia.
É disso que se trata, penso eu após dois anos.
Nenhum abutre, ninguem pode tirar isso de mim.
Não tivemos chance de nos despedir, não aquela despedida pra eternidade...
Também não sei dizer ao certo o que falaria pra ele sabendo que nunca mais o veria, ou ouviria a sua voz.
O Universo tratou disso e fez com que fosse natural, leve.
Pesado é não ouvi-lo, é não atender o telefone as sete da manhã pra dar bronca porque ele me acordou, é Maria Eduarda não crescer perto do avô, é sentir saudade, é questionar porques de tantas coisas duras que ficaram.
O resto, o podre que ficou, bem, eu não coloquei na minha mochila...Você deve ter tido os seus motivos ou talvez nem deram opções, isso só Deus sabe.
Onde estiver, descanse em paz.
Eu sinto sua falta todos os dias da minha vida.
Esse post também é desnecessário...eu sei disso...
Mas após dois anos, a atualização automática era necessária, não dava pra reiniciar mais tarde...

sábado, 27 de junho de 2009

Sutilezas...

Estou sentada sozinha no meu quarto frente ao computador.
Lá fora, o cavaquinho nas mãos daquele velho homem.
Com ele, dois outros solitários buscando a atenção das pessoas.
Artistas natos, tocam as cordas com a força dos apaixonados.
Cada nota é tão linda que docemente misturam-se as pequenas gotas da chuva.
Ninguem nota, tão menos param diante do espetáculo que eles tentam apresentar.
Todo mundo sente muita pressa para observar as sutilezas das atitudes alheias,
o carinho do próximo, o despertar da natureza, o grito dos excluídos.
Nas manchetes, Michael Jackson está no topo das notícias.
O famoso pop star ganha a atenção de todos juntando milhões no mundo inteiro homenageando-o.
Tudo bem...ser fã faz parte da vida...
Mas, e se o velho homem com seu cavaquinho morresse ali, naquela hora?
Você se importaria? Você gastaria horas em uma fila para homenagea-lo?
Ah! Ando tão farta das mesmices!
Li em uma das reportagens, uma pergunta que me chamou a atenção: " Por qual Michael Jackson estamos chorando?"
É verdade!!!!!
O grandioso Michael de "Thriller" e "Billie Jean" ou a aberração que rejeitava sua própria raça? Que teve ínumeras suspeitas de pedofilia? Que pendurou o seu bebê na janela? Que já nem cantava mais sucessos como antigamente?
Desculpem-me os fãs a minha sinceridade, mas não vou chorar por Michael.
Se tenho que chorar, prefiro sentir então por Sophie de apenas quatro aninhos, idade da minha pequena, que era inocente e não tinha como se defender sozinha.
Prefiro sentir por crianças como ela, que sofrem com a pedofilia e abusos mil totalmente impunes por aí.
Prefiro chorar por Neda Agha, inocente morta em um protesto iraniano.
Prefiro chorar por tantas outras mortes horríveis, outras tantas injustiças e barbaridades que acontecem todos os dias.
Michael Jackson? Descanse em paz.
Mas para mim o sofrimento é bem menos pop e bem mais duro na vida real.
É como sinto. É o que penso dessa vida...
D. Frick

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Seguindo

Vivendo,
Seguindo,
Decidindo,
o meu destino...

Volto já...some não!

D. Frick

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Finalmente...

Sonhei com você.
Finalmente você resolveu aparecer.
Só agora me abraça e diz que não pôde fazer nada?
Só agora?
To adiando você na minha mente e mais um aniversário está chegando...
Você é como aquela atualização automática que marcamos a opção de reiniciar mais tarde...
é isso...
Tão necessário, faz tanta falta na minha vida e deixou tantas perguntas...
Ainda sinto o abraço...
vou guarda-lo comigo...pode deixar...
Esteja na luz...onde estiver...
D. Frick

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Ser astronauta

Tenho que aprender a ser astronauta nesse inexorável espaço chamado VIDA.
O astronauta conta com o seu foguete majestoso, com computadores avançados e de última geração a guiá-lo pelo espaço sideral.
Ele precisa dos outros que construíram o foguete, que prepararam tudo para sua partida ao grande “negro estrelar”...
Mas lá, na sua grande jornada, quando o foguete está em ação, muitas vezes ele está sozinho.
Sou astronauta. Tenho que aprender isso.
Sou astronauta...
Astronauta, não o foguete. Portanto, não sou máquina.
Respeitem as veias que correm por debaixo da minha grande roupa prateada.
bjos,
D.Frick

terça-feira, 9 de junho de 2009

Você conhece as pessoas realmente?

Conhecer as pessoas é algo realmente desafiador.
A verdade é que você não conhece porcaria nenhuma...
Havia um castelo de areia. Eu estava hospedada nele.
Ele desmoronou.
Agora formou-se uma tempestade muito grande com todos esses grãos.
Refugiei minha alma novamente no meu saquinho humilde de guardar confetes.
Preciso me proteger...Não quero cegar meus olhos com toda essa areia suja...
Volto...eu volto...
Pode deixar...
Bjos
D.Frick

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Voltando pra casa

Tirei férias.
Tranquei-me por um tempo no meu saco de guardar confetes.
Precisava pensar e renovar tudo que existe em mim.
Então, descobri finalmente que essa mudança será tão longa quanto o tempo que levei para descobrir a necessidade de sua execução.
São 23:30. Passo roupa em minha sala.
Confome o tecido é amolecido e toma forma uniforme com o calor do meu ferro de passar, penso nos planos e nas coisas que preciso colocar em prática.
Penso que gosto daquilo. Gosto de cuidar da minha família, da minha casa, da minha vida.
Penso que quero colocar em uso todo o conjunto de idéias que passam pela minha mente tão diversificada.
Penso que me tornei uma super mulher maravilha que consigo tudo isso.
Penso, penso, penso.
Sou super! Posso voar! Posso tocar as estrelas com minha mente! Acredite!
Saí do pano de guardar confetes. Estou de volta com a "corda toda".
Que bom voltar e pensar e escrever...sinto falta de expressar-me assim como o corpo sente falta do ar, do alimento, do amor, da vida.
Voltei. Vá embora não! Fica! Senta! Toma um café comigo e tenta rir um pouco dessa minha mente tão indefinida...
bjossss

quarta-feira, 13 de maio de 2009

A inveja faz parte da humanidade desde os tempos mais remotos.
Com ela vem um monte de coisas horríveis que já sabemos não terem a menor validade para o crescimento como pessoas.
O que é curioso nesse lance de inveja é saber que, para o invejoso nada, NUNCA, estará bem.
Porque na cabeça do invejoso, os desejos e anseios estão sempre voltados como holofotes para a vida do outro, o amor da outra, o objeto do próximo.
Se um dia talvez, esse ser invadido desse sentimento mórbido conquistasse de fato o que outrora desejou, não daria o valor necessário.
Isto porque o objeto de inveja só tem valor se não fizer parte de sua vida. Desvalorizaria se deixasse de ser.
Que sentimento ruim!
Que tristeza deve ser não enxergar em sua vida tudo de bom que existe.
Por isso fica o recado, fica o que estou pensando hoje:
Olhe pra sua casa,
Olhe para seus filhos,
Olhe pra sua família,
Para seus amigos,
Seu emprego,
Suas roupas,
Seus objetos mais simplórios,
Os que não são também,
Suas conquistas,
Seus fracassos,
Sua história de vida.
Cada pedaço, material ou não, foi seu. Ainda é. Faz parte da sua caminhada.
Desejar o alheio é sair da própria vida.
É frustrar-se a cada segundo, é não enxergar com os olhos abertos.
É deixar a vida escorrer pelos dedos, sem deixar sobrar um grão sequer na palma das mãos.
Ao invés de desejar, admire.
Ao invés de invejar, inspire-se.
Ao invés de frustrar-se, lute pelos seus objetivos.
Acima de tudo, ao invés de criticar, construa. Participe. Opine .Faça parte.
Enquanto você vive odiando a conquista dos outros, deixa de perceber que oportunidades esbarram em você e zombam de ti por desperdiçá-las por tão pouco...
D. Frick



segunda-feira, 11 de maio de 2009

Querer ser Estrela...

" A palavra estala entre meus dentes em estilhaços frágeis. Porque não vem a chuva dentro de mim, eu quero ser estrela. Purificai-me um pouco e terei a massa desses seres que se guardam atrás da chuva."
Clarice Lispector

domingo, 10 de maio de 2009

DIA DAS MÃES

Oh minha Mãezinha do Céu,
Sem ti eu não vivo.
Sem tua intercessão eu não caminho.
É em ti que procuro abrigo,
Em teu colo derramo minhas lágrimas, meus anseios,
Em tuas mãos coloco minha vida e a dos que amo,
Com teu manto eu me protejo, então não há o que ter medo.
Obrigada Mãe.
Todos os meus dias são seus e do seu Filho.







Mãe,

O que vou falar pra você?
Não sei bem como descrever,
Tudo que você significa pra mim.
De tudo de bom que vem de você,
O mais importante é saber,
Que o seu amor, seu carinho, seu apoio,
Está ali.
Não há nada melhor que receber amor,
E amor de mãe é tão bom...
O seu é incondicional,
É música linda, em qualquer tom...
Obrigada por tudo nessa vida,
No amor por sua neta, por sua dedicação completa.
Por toda a sua experiência de vida.
Experiência essa que é exemplo,
É de se orgulhar, é de se admirar,
É de querer ser igual a todo tempo!
Quero ser uma mãe assim,
Quero tentar e conseguir,
Tomara que Duduca veja em mim,
Tudo de lindo que eu vejo em ti.
Te amo!

Dona Frick

Feliz Dia das Mães para todas as super mães que eu conheço e para as que eu não conheço também!!!!!
Ser mãe é uma benção.
Vamos agradecer!

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Mãe!

Semana das mães.

O dia das mães está chegando.
Dia das mães? Espera aí!
Acho que não dá pra comemorar ou filosofar sobre isso em um dia...
Não é como em um aniversário onde se comemora a vida, os anos que passaram e se deseja que muitos outros venham.
Não é só isso.
Na verdade quando somos crianças, não temos a noção consciente de algumas coisas que nossas mães fazem por nós. As boas e as ruins.
Agimos automaticamente por um sentimento único que nos liga a esse ser que nos gerou, nos colocou no mundo, nos dá amor e nos ensina o que acha certo e errado.
Mas só quando somos mãe de algum pequeno é que nos damos conta do quanto é difícil criar uma pessoa para o mundo.
Ensinar, educar, fixar nesse “ser” os valores necessários para se formar um caráter decente.
É difícil. Até porque a vida é um constante aprendizado e muitas vezes, em muitas questões, passamos um bom tempo tentando aprender, tentando superar.
Ainda tento!! Ainda busco!
Justamente por isso, nos damos conta de que nossa mãe também passou por isso e também teve as dificuldades que nós mesmos passamos.
Nessa tarefa de ser mãe, e, em tudo na vida temos que buscar o equilíbrio, o bom senso, tudo em prol do amor que sentimos por eles.
Então pra mim, tão complexo e enigmático como o sentimento que une uma mãe ao seu filho, é a arte de se relacionar e prepará-lo pra vida.
Um dia é pouco para falar das mães.
Não há receita certa.
Contudo, com certeza há elementos certos e necessários para que, ao menos, nossos filhos sejam pessoas decentes, educadas e que saibam respeitar o mundo, o próximo, os animais, a vida, tudo...
Não é pra ser fácil. Ser humano não é fácil, oras!
Se geramos, se esperamos por nossos filhos, então temos que saber que, não só todos os dias são das mães, mas sim dos filhos, dos pais, da família.
É preciso dedicação, é preciso reflexão, é preciso comprometimento.
Abençoadas sejam as que percebem isso...

sábado, 2 de maio de 2009

Contraditos...


Antes, era preciso esforçar-se para acreditar nas contradições.
Agora, é fácil entender que elas existem.
As vezes recepcionamos pessoas em nossa vida, talvez seja preciso expulsa-las por momentos exatos.
A dosagem de toxicidade humana que é suportável pra você, talvez não seja tão boa assim pra mim.
O que é belo pra um, é tão feio para o outro...
Tudo é tão relativo...
Quero essa relatividade...
Quero dosar essa contrariedade.
Quero bagunçar tudo, para depois arrumar o meu ninho.
Como Clarice diz: "Perder-se também é caminho"

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Crisálida

Ao desejar a metamorfose,
das cores, do tempo, dos sons,
formei minha crisálida:
dourada, linda, com vários tons.
Nela me protejo, do vento, do maldade.
A inveja não me abala,
nem a pequenez da falsidade.
O novo está sendo gerado,
nesse casulo tão dourado...

Dona Frick

quarta-feira, 29 de abril de 2009

É hoje!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O melhor presente é um conjunto de pessoas e coisas...
São detalhes importantes que marcam nosso coração ao longo dos anos.
Daí você fica mais velho e sente que o que importa são essas pessoas trazendo o que há de melhor na sua vida.
O meu melhor presente está no sorriso da minha filha, com olhinhos de sono na cama ainda, dizendo: mamãe bom aniversário pra você, te amo!
Está no carinho do marido, dos irmãos, da minha mãe e até a lembrança do meu pai, que a essa hora com certeza já teria enviado uma mensagem pra me acordar e flores com um cartão...
Está nos amigos que acreditam em mim, nos meus sonhos, nas minhas loucuras...
Naqueles que se preocupam comigo, que contribuem ao seu modo com um pedacinho de carinho, de incentivo, de companheirismo...
Naqueles que me perdoam, que me dão bronca, que me aconselham e que me "acordam" quando eu fico "sonolenta" pra vida.
Enfim, o melhor presente é o amor...
Obrigada a todos os meus presentes lindos de morrer embrulhados nessa caixinha de surpresa que é a vida!
bjosssss,
Dona Frick

domingo, 26 de abril de 2009

Está chegando...

Está chegando o dia do meu aniversário.
Sempre amei esse dia.
Sempre...
Amava os bilhetinhos dos amigos e amigas da escola, os telefonemas, esperava as flores que meu pai mandava....Sempre com os mesmos bilhetes e as mensagens por telefone.
Minha mãe também sempre fez com que cada um fosse especial demais.
Até hoje guardo os bilhetinhos, os cartões, as pétalas...
Sempre gostei também de todo o resto: festa, bolo, comemorações, desejos, sonhos com uma nova fase no ano “pós inferno astral”.
Aniversário é uma comemoração!
Comemora-se porque se está vivo! Porque se tem vida!
VI-VO...
Os trinta e dois aninhos estão chegando com muita bagagem.
Tem tanta gente que me culpa e me julga por sonhar.
Não que eu defenda a tese de que viver nas nuvens nos ajude. Afinal, como uma boa taurina, a terra é o meu grande elemento...
Mas se tiver que comemorar a vida, eu quero comemorar uma vida intensa.
Recuso uma vida restrita, uma vida de acordo com as regras e limites de sonhos e ambições.
Recuso uma vida mesquinha, sem amor, sem olhos abertos para tudo a minha volta.
Eu quero enxergar as pessoas que não enxerguei ainda, eu quero cumprir as etapas que não cumpri ainda, eu quero por em prática tudo aquilo que minha covardia ou inexperiência não permitiu.
Eu quero vida com sonhos, eu quero vida com apostas, eu quero vida com amor, eu quero vida com vida!
Não vou abrir mão de cada sonho, de cada desejo e danem-se quem me achar louca por isso.
Aliás, quero ser louca também (e acho que sempre fui) afinal, até a loucura é relativa...

Não fui feita pra ser contida.
Fui feita pra ser vivida.
bjos,
Dona Frick



terça-feira, 21 de abril de 2009

D'ESCRITO

De tanto escrever sobre amar você,
percebo nas letras, impossibilidades.
Afinal não saberia como traduzir,
uma pessoa que para mim, traz felicidade.

Pois ser feliz requer disciplina, pensamentos positivos,
formas de amar e ver o mundo.
Eu penso em você a cada segundo...

Quando penso em você ou te vejo,
tudo isso é alcançável.
Assim, o mundo não só é feliz,
é inexorável.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

O menino que transbordava

Era uma vez um menino.
Lindo. Rosto lindo, delicado, traços tão meigos escondidos em suas marcas da vida.
A vida não era fácil não. Era dificil. As vezes, solidão.
Ninguém contou pra ele quão lindo era o seu reflexo para o mundo.
Não havia espelho, não havia nada.
Mas ele tinha luz. Ele tinha graça. Ele tinha inteligência. Ele tinha raça!
O menino acordou para mais um dia.
Cansado, desanimado.Faltava coragem.
Tão triste, acordou. Não rezou, não falou nada.
Foi então que olhou o horizonte,
Feito milagre, viu a miragem.
Entendeu então o menino...
Que tudo vale a pena,
Continuou sorrindo e agradeceu.
O tempo não era o dele.
O tempo é sempre o de Deus.
As lágrimas desceram dos olhos,
mas não foram só elas não.
Esse menino é tão lindo,
que transborda luz do seu coração.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Estado de Graça...

"6 DE ABRIL
ESTADO DE GRAÇA

Quem já conheceu o estado de graça reconhecerá o que vou dizer. Não me refiro a inspiração, que é uma graça especial que tantas vezes acontece aos que lidam com arte.
...

Nesse estado além da tranquila felicidade que se irradia de pessoas e coisas, há uma lucidez que só chamo de leve porque na graça tudo é tão, tão leve.

...

É uma bem-aventurança física que a nada se compara. O corpo se transforma num dom. E se sente que é um dom porque se está experimentando, numa fonte direta, a dádiva indubitável de existir materialmente.

No estado de graça vê-se as vezes a profunda beleza, antes inatingível, de outra pessoa.

Sai-se do estado de graça com o rosto liso, os olhos abertos e pensativos e, embora não se tenha sorrido, é como se o corpo todo viesse de um sorriso suave."
Clarice Lispector

Estou sorrindo, estou em estado de graça...
E como sempre Clarice descreve exatamente como me sinto...
Dona Frick

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Feliz Páscoa!


Peter Rabbit by Beatrix Potter
Feliz Páscoa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Com muito amor, carinho, reflexão, paz,
fé, união, chocolates, e alegria!!!!!!!
Até domingo...
Beijos!

quarta-feira, 8 de abril de 2009




"27 de Maio de 1968





Saudade

Saudade é um pouco com fome. Só passa quando se come a presença.
Mas as vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a pessoa toda.
Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida."
Clarice Lispector - A Descoberta do Mundo


Rasguei papeis, arrumei armários, li textos, cartões, busquei lembranças, namorei tantas fotos...
Há a saudade distante e há a saudade presente: arde plenamente aqui, no meu pano de guardar confetes...
bjos,
D.Frick












terça-feira, 7 de abril de 2009

Oração...

Traga o ramo, a água,
Acenda a vela.
Viva o Jejum.
Ore, despeça-se do homem velho e comum.
Rogue bênçãos, peça perdão,
Sofra e viva a Divina Paixão.
Espere, vigie,
Acredite no amor.
Ele vive, ressuscita,
É o nosso Senhor.
Flávia Frickmann

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Semana Santa


ELEMENTOS
Ramos,
Água,
Vela,
Jejum,
Oração,
Despedida,
Pedidos,
Perdão,
Arrependimento.
Benção,
União,
Sofrimento.
Expectativa,
Vigília,
Alegria,
Renovação.
Novidade,
Amor,
Ressureição.
Dona Frick
Hoje foi o meu primeiro dia de “liberdade.”
Engraçado que só agora ao final dele, percebi que essa liberdade sonhada teve seu início justamente na Semana Santa.
Sempre fui católica e sempre estudei a doutrina católica.
Acredito fielmente que temos nessa semana, Semana Santa, a oportunidade de renascer, de recomeçar, de reciclar.
Venho falando tanto nisso...
Então quero deixar o velho ser humano que existe em mim e renová-lo.
Nada acontece por acaso.
Foi preciso uma grande tempestade para que a minha paz, minha bonança, enfim chegasse.
Junto com a paz, vem o amor.
O amor da minha filha...da minha filha linda...
Hoje, enquanto apertava e beijava minha pequena, perguntei: “Filha, sabe o que é gostar muito, muito, muito de uma pessoa?”
Daí vem a resposta: “Sei mãe, é o amor.”
Não é preciso dizer mais nada, só desejar que a Semana Santa recicle cada um de nós, nos dê um coração cheio de paz e de luz e de amor...

sábado, 4 de abril de 2009

A despedida


De tudo que eu tive na ANCINE, o que quero levar comigo é a admiração e carinho de muitos.

De repente, ontem, ao me despedir, ao receber ligações, emails, presentes, vi que não importa os que não gostam, os que não querem conviver comigo.

Tornaram-se grãos de areia numa imensidão...

Foram tantas demonstrações de afeto que me emocionaram e me deixaram com a sensação de que fiz algo, de que não passei apenas por ali, que não dá para demonstrar aqui...em palavras...

E disso que se trata...

Fazer valer a pena cada minuto.

Obrigada pelo carinho, obrigada àqueles que me enxergaram de verdade.

Levo voces comigo, nas memórias e no coração.

quinta-feira, 2 de abril de 2009




Era uma vez uma menina.
Faz de conta que ela usava um vestido vermelho com florzinhas rosas.
Ela estava brincando com os matinhos jogando suas folhas para o ar.
Quando as folhas caiam, ela fingia que era uma chuva.
De repente ela ouviu um barulho. Achou que era um Leão.
Mas era um coelhinho. Um coelhinho da Páscoa.
Ele era bom. Tinha um coração grandão.
Eles se tornaram amigos e viviam juntos.
Mas ela teve que ir embora porque sua família estava esperando.
(História contada por Maria Eduarda, minha filha linda)

Maria Eduarda inspira meus dias...

terça-feira, 31 de março de 2009


A Menina que tinha medo


Era medrosa. Tinha medo de monstros invisíveis debaixo da cama. Talvez tubarões com suas grandes barbatanas.

Gritava sua mãe, sempre que podia.

Tres letras e pronto! Sua alforria.

Ela aprendera que no medo do escuro ou "bicho papão", deveria gritar bem alto, até ficar rouca: " -não tenho medo!"

Gritava sempre, sempre e sempre. E o bicho papão ia embora.

Agora era gente crescida. Moça valente com medo dos seus próprios sussurros.

Joelhos ralados, mãos asperas...

Caminhou por aí, tentou tantas coisas, queria descobrir!

Descobrir a vida é coragem, dá medo encarar a viagem, mas tem que ir!

Sentiu medo do incerto, sentiu medo de não ter afeto.

Feriu-se de novo e aprendeu com a vida.

Não se pede abrigo ao coração, nem esmola, nem compaixão.

Coração se conquista, ramifica.

Nasce carinho, nasce amizade, companheirismo.

Se não vingou, não tinha que ser.

Mas ser rejeitada a fazia sofrer!

Eis o monstro ali de novo, mais velho, ardiloso com o tempo...

buscou força em suas raízes, gritou!

De monstro feio, só rajada de vento...
Flávia Frickmann


"Não tenho medo nem de chuvas tempestivas, nem das grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite." Clarice Lispector - A HORA DA ESTRELA

domingo, 29 de março de 2009

Fechando as portas

Duas palavras vem batendo os pinos dentro da minha mente ultimamente.
Desapego e comprometimento.
Logo eu...Taurina...desapegar não é fácil! Vou te falar...
Essa é a minha última semana na Ancine e ao mesmo tempo em que estou nervosa, estou feliz.
Nervosa porque deixo pra trás cinco anos e nove meses de trabalho, amizade, carinho, lembranças, experiência, amadurecimento como pessoa e como profissional.
Feliz porque vou me desintoxicar. Essa é a palavra.
Sinto-me impregnada de manias ancinéticas, de toxicidades...
Esse é o grande desapego. Necessário...
Comprometimento é a segunda palavra.
Tenho outros planos. Quero estudar, quero escrever, quero mudar.
Esse é o comprometimento comigo. Não há ninguém por trás desses planos senão eu mesma.
Até porque não há mais ninguém a me enxergar, a me conhecer e a se importar com o que realmente conta pra mim.
Conto comigo e como a Dolly em “Procurando Nemo” devo nadar e nadar e nadar nesse mar de apostas que coloquei na mesa.
Vai dar certo.
Eu sei, eu sei.
Há pessoas que me chamam de louca, impulsiva, irresponsável. Talvez eu seja louca, talvez sim. Impulsiva e irresponsável, não.
Tive uma coragem pensada para dizer não a humilhações, pessoas infantis, problemáticas e incoerentes. Tive coragem para dizer não a preconceitos idiotas, a soberba, ao convencimento de que inteligência e capacidade são determinadas por categorias de profissionais.
Tive coragem para virar as costas para a ingratidão.
De tudo que fiz ali, naquele setor em que fui a segunda funcionária, antes mesmo dele ser legalizado, dele existir, o que restou foi a minha memória e o respeito que eu dediquei ao trabalho.
Mas nesse mar de memórias, o meu trabalho é peixe morto, largado na areia.
Os abutres voam em cima, querem extrair o que sobrou. Se eu deixar, sobrará a espinha. Da espinha, o lixo. Serei então o nada.
Tive coragem para assumir o que quero fazer, o que quero ser. Ninguém mais fará isso por mim.
Tive coragem. Apenas.
Depois da coragem vem o medo.
Mas antes do medo, vem a fé e eu acredito.
Então é isso, sexta, dia 03, fecho as portas, guardo as chaves no bolso e sigo para navegar no meu precioso mar de apostas.
Aposto que dará certo!!!!

“O tempo passa depressa demais e a vida é tão curta. Então — para que eu não seja engolido pela voracidade das horas e pelas novidades que fazem o tempo passar depressa — eu cultivo um certo tédio. Degusto assim cada detestável minuto. E cultivo tam­bém o vazio silêncio da eternidade da espécie. Quero viver muitos minutos num só minuto. Quero me mul­tiplicar para poder abranger até áreas desérticas que dão a idéia de imobilidade eterna. Na eternidade não existe o tempo. Noite e dia são contrários porque são o tempo e o tempo não se divide. De agora em dian­te o tempo vai ser sempre atual. Hoje é hoje. Espan­to-me ao mesmo tempo desconfiado por tanto me ser dado. E amanhã eu vou ter de novo um hoje.” Clarice Lispector – Um Sopro de Vida

sábado, 7 de março de 2009

É chegado o tempo de trocar as asas...Dizem por aí que esse é o tempo...Tem um relógio no meu coração.Ouço um tic tac que clama aqui dentro.Daqui de cima, conto as estrelas, e o brilho delas me contagia...Minhas asas ganharão vida! Virão comigo os sonhos, a esperança e a alegria...Deixo então pra trás as brigas, a maldade, a frustração e todas as coisas ruins que vem e que vão...Que eu possa também pisar os pés no chão, lutar, correr atrás do vento,Fazer acontecer a minha vida, tornar real o meu pensamento...Que Deus nos abencoe, a nós e nossa família,Ilumine o nosso viver, o nosso ser, a nossa trilha.

No início do ano, essa foi a minha mensagem...
trocar as asas...
Desejei muito isso, tanto, tanto, que a urgência gritava como um filho querendo vir ao mundo...
Para isso, tive que vencer o medo...
Medo de não ser a hora, medo de não conseguir dar outros voos...
Venci. Venci esse medo. Engoli a coragem com a sede de quem acredita que vale a pena tentar sempre, enquanto existir vida pulsando nas veias...
E eu sou assim. Eu vivo. Eu acredito que sempre é tempo de crescer.
Vai dar certo. Vou voar por aí. Vou amadurecer mais, vou aprender mais, vou mudar o que precisa ser mudado.
A Ancine que me acolheu de longe não é a que se despede de mim.
Ela cresceu, ela mudou, ela acolheu outros também.
Muitos irão comigo aonde quer que eu vá. Ultrapassaram a jornada diária e passaram a ser companheiros da jornada da vida...
Outros eu deixo ali, parados na lama da arrogância, do arrependimento, da soberba.
Ainda acredito neles, sabe?
Afinal eu acredito na vida e enquanto houver vida, os seres humanos serão capazes de se reciclar...de trocar as asas...
Beijos e beijos,

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009


Carnaval chegando...folia, descanso, sol, fotos, livros, piscina, não necessariamente nessa ordem...

Preciso muito me recolher...

Meu coração não está em folia constante...anda apreensivo, distante...

Quem sabe depois da folia eu não volto melhor...

bjos pra todos! boa folia e juízo!!!!!!!!!!


"O samba é alegria

Falando coisas da gente

Se você anda tristonho

No samba fica contente

Segure o choro criança

Vou te fazer um carinho

Levando um samba de leve

Nas cordas do meu cavaquinho "


Paulinho da Viola

Eu canto Samba, 1989

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Vida



Há tempos que paro a pensar em todas as coisas que gostaria de escrever.
São tantos os pensamentos e desejos embutidos, que, confesso congelar, inerte nos pensamentos, sem saber por onde começar.
É bem verdade que essa vontade vive em mim desde os tempos de menina.
Mas que menina era essa afinal? Há vinte e poucos anos atrás?
Quando olho o caminho que me trouxe aqui, não reconheço alguns atalhos, tão menos entendo a futilidade dos meus pensamentos pretéritos.
Iludida com meus sonhos, suspirando em fantasias, vivia eu no mundo do faz de conta, a Flavolândia era minha rotina...
Como escolhi meus amigos? Quais eram meus princípios? O que realmente me fascinava?
Quem era aquela menina? O que era real? Como fiz minhas escolhas?
Era tão boba essa menina...
O maior problema do mundo, o mais bonito do mundo, o mais feio do mundo, tudo tão radical, tão excessivo...
Acreditava em duendes e fadas, no Papai Noel e até conversava com seres iluminados...rs
Que bobinha essa menina!
Tantas coisas afloradas por tanto tempo reprimidas! Quantas coisas verdadeiras deixei passar por talvez não ter... coragem!
Por não acreditar.
Por quanto tempo eu me escondi na concha?
A verdade é que a gente cresce, vai caminhando por essa "louca Diva" chamada vida e percebe que ela muda a gente sim!
Tanta coisa acontece, muda o rumo e a gente cresce.
Não sou mais a boba de antigamente. Não pegariam minhas “barbies”, nem tomariam os meus brinquedos...
Só hoje aos trinta e um “e lá vai fumaça...”percebo a Flávia que me tornei.
Levei tombos, ralei os joelhos, manchei o rosto com lágrimas do crescimento.
A vida mostrou que tudo tem seu tempo e nem sempre o tempo bate as horas no ritmo do nosso “tic tac”.
Tem as surpresas boas e as ruins.
Tem os planos concretos e aqueles dispersos.
Ainda acredito em duendes, sonho com amor e com doçura. Tem coisas que ainda mantenho, sabe? Travando lutas contra dias tristes, frustrados e austeros...
Só eu sei os anseios que palpitam no meu coração que hoje grita, arde.
Tem gente que não leva fé nos meus delírios, que condena até os meus suspiros.
Eu me cobro também quando penso nisso, afinal sou filha, mãe, sou esposa, sou profissional, há um compromisso.
Mas há o “clique” que estalou em minha vida.
Uma granada, sem pino, mudança mais que explosiva.
Não tem volta. As escolhas agora, são minhas, os caminhos tomados, são meus.
Escolhi ser atrevida. Quero rir e tentar outro rumo. Que se dane o status, as regras, os tolos do mundo!

“E se você me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar.”
Clarice Lispector
(rsrsrsrs queria ter tirado uma foto minha ao ler essa frase...tão propícia...rs)

Ahhh!
Devo dizer...
Há muitos fatos, personalidades que me inspiram.
Há a fotografia, e a leitura...e nela há “Clarice” Minha inspiração permanente...

A melhor de todas as inspirações é pequena de cachos dourados e sorri como um anjo batendo asas a minha frente...Maria Eduarda cresce e aumenta o desejo de avançar nessa jornada.

“Covardia Não pense que a pessoa tem tanta força assim a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. Até cortar os defeitos pode ser perigoso - nunca se sabe qual o defeito que sustenta nosso edifício inteiro... Há certos momentos em que o primeiro dever a realizar é em relação a si mesmo. (...) No momento em que me resignei, perdi toda a vivacidade e todo interesse pelas coisas. Você já viu como um touro castrado se transforma em boi? Assim fiquei eu... Para me adaptar ao que era inadaptável, para vencer minhas repulsas e meus sonhos, tive que cortar meus grilhões - cortei em mim a forma que poderia fazer mal aos outros e a mim. E com isso cortei também a minha força. Ouça: respeite mesmo o que é ruim em você - respeite sobretudo o que imagina que é ruim em você - não copie uma pessoa ideal, copie você mesma - é esse seu único meio de viver. Juro por Deus que, se houvesse um céu, uma pessoa que se sacrificou por covardia ia ser punida e iria para um inferno qualquer. Se é que uma vida morna não é ser punida por essa mesma mornidão. Pegue para você o que lhe pertence, e o que lhe pertence é tudo o que sua vida exige. Parece uma vida amoral. Mas o que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesma. Gostaria mesmo que você me visse e assistisse minha vida sem eu saber. Ver o que pode suceder quando se pactua com a comodidade da alma.”Clarice Lispector (1947 Berna - Suiça /Carta à irmã)


terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Quer me acompanhar?

Por um momento eu pensei em desistir da dieta estúpida, dos meus textos estúpidos, do meu blog estúpido, das minhas fotos estúpidas e de tudo estúpido que eu tento e tento todos os dias.
Mas daí eu pensei que não ia desistir de nada, porque antes de toda essa “estupidez” ser importante pra alguém, ela é essencial pra mim.
E apesar de olhar pra todo o horizonte e enxergar um ponto de interrogação do tamanho da minha barriga, eu não quero desistir.
Mesmo vendo todos os dias no canto do quarto, da sala, nas barcas, nas ruas que eu ando, nos lugares que visito e até mesmo aqui nesta sala onde trabalho todos os dias, a Lady Deprê, eu não vou desistir.
Eu não sei explicar o que é que eu sinto.
Eu posso estar leve, feliz, curtindo...
Mas basta a presença de algumas pessoas, pessoas exatas, pra que dentro de mim algo murche. É como se eu jogasse baygon em cima de uma flor...
Não adianta. É além do que eu posso explicar e eu acho que vai doer até o fim dos meus dias...
Dói dentro de mim.
Só que não existe só essa dor na minha vida!
Eu existo. E tem gente que ama a pessoa que eu sou! E tem gente que apóia e adora o resultado da minha dieta estúpida! E tem gente que ama o texto que eu escrevo! E tem gente que ama as fotos que eu tiro! E tem gente que ama a minha companhia e quem eu sou, as minhas doideiras, os meus defeitos, os meus ataques, os meus surtos, os meus sorrisos e até os meus choros em dia de TPM.
E mais do que tudo, há a Maria. A Maria dos cachos dourados.
A Maria espevitada.
A Maria que é linda e que sou responsável pela beleza dos seus dias, de sua vida e dos valores que ela terá pra construir sua história.
E quando eu digo de quem me ama. Digo aqueles que me dão bronca. Aqueles que me aconselham, aqueles que me falam a verdade. E não o bando de hipócritas que vivem rindo e soltando verborragias inúteis.
Não quero que me chamem de querida, mas quero que respeitem o que sou e quem eu luto para ser.
Não quero achar que tudo é perfeito, mas quero enxergar a beleza sempre pra não viver amargurada com a vida e com as pessoas.
Não quero ser louca, mas quero ousar e parar de fazer somente o que é politicamente correto e ditado pela sociedade.
Não vivo nas igrejas, mas rezo com verdade quando meu coração está puro, porque quando estou com raiva e cheia de pecado não consigo dizer nada além de perdão “Pai!”
Prefiro a minha vontade de acertar, de amar, à hipocrisia de andar rezando com terço na mão.
Não me preocupo se minha pele envelheceu, ou meu corpo foi castigado, mas agradeço por ele ser perfeito e ter saúde pra ver o sorriso de Duduca todos os dias da minha vida.
Quero as rugas, quero as marcas dessa história que construo mesmo com meus erros.
Quero a verdade e quem é verdade no que é, mesmo quando o que se é não seja tão lindo assim.
Afinal, o que é lindo? Tudo é muito relativo...
Tenho a voz dura quando é preciso e quando não é preciso também.
Sou um touro na raiva, contudo, a mais doce das pessoas quando amo de verdade.
Quero evoluir com você e não passar pela vida achando que nada é preciso fazer pra andar por aí nesse milagre que Deus nos deu...chamada vida.
Não quero ter paciência para o mesquinho. Já não agüento o invejoso.
Não suporto o mimado, nem as crianças vítimas dos pais que constroem essa nova geração.
Quero fazer algo. O que? Não sei? To procurando e assim farei até morrer.
Quem eu sou? Uma simples mortal.
Ando na chuva, me sujo comendo empada, tenho preguiça de tomar banho depois da noitada, como chocolate na TPM (e fora da TPM também), as vezes não tiro o rimel dos olhos, falo alto, sou ciumenta, penso como gordos( humm,guloseimas), não faço pose na praia, brinco na areia, quando corro pareço um pato, comi “a merenda” antes do casamento, não casei na igreja, mas pode ter certeza: quero muito ser feliz! E para aqueles que amo? Eu tento superar tuudo, e fazer tudo pra que a vida valha a pena. Afinal...minha alma não é pequena!
Sendo assim, nada é estupido...
Quer me acompanhar? Será ótimo ! Mas por favor não me chame de querida...(a não ser que realmente seja verdade...)

É como na música da minha “velha amiga Zélia”: “A diferença está na crença. De quem pensa que pensa e apenas alimenta, meias verdades, meias atitudes. Meias bondades, nada disso me interessa...” *

*Zélia Duncan